Marcio Pochmann 1

Sinter

Aconteceu nesta quinta-feira, 23/5, mais um encontro do Coletivo de Sindicalistas das Estatais Contra as Privatizações. A convite do Coletivo, Marcio Pochmann, fez um rico debate sobre as privatizações e as perdas da sociedade com a venda de patrimônio público. Pochmann é professor, doutor em Economia, pesquisador da Unicamp e do Centro de Estudos Sociais e Economia do Trabalho (Cesit), presidente da Fundação Perseu Abramo e autor de diversas publicações sobre o mundo do trabalho, política e economia.

O debate aconteceu na Escola Sindical 7 de Outubro, em Belo Horizonte, e contou com a participação de diversas categorias. Entre os participantes, representantes do SINTER-MG, da Federação Única dos Petroleiros, Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais, SINDSEP-MG, SINDPETRO, SINDIELETRO-MG, NETE/UFMG e representantes da CUT de diversas regiões do País.

Pochmann ao debater o modelo das privatizações propostos no Brasil alerta para a situação de ruptura que o País vive atualmente, uma crise que leva governos a pensarem em saídas individuais, em detrimento de soluções coletivas, que beneficiem toda a sociedade. Outro alerta feito pelo economista é que o discurso das privatizações segue a mesma lógica da Reforma Trabalhista, que prometia gerar empregos e hoje no País, um a cada três brasileiros está procurando emprego, e a economia encolheu 5% em relação a 2014.

O economista reforça ainda, que não é vendendo patrimônio público que o governo resolverá o problema do País, pelo contrário, vários países que privatizaram serviços estratégicos como energia e extração de recursos naturais como o petróleo, hoje estão reestatizando as empresas, pois as estatais cumprem um papel fundamental no desenvolvimento econômico da nação.

A representante sindical de Januária, Fernanda Maria Lima Maia, avalia a necessidade de união de trabalhadores, sociedade e movimentos sociais para impedir a venda do patrimônio público: “A união e solidariedade entre os que defendem um projeto de País soberano são fundamentais para construirmos a resistência e defender o que é nosso. Onde há a presença do Estado, percebemos o bem estar social com igualdade. As estatais são fundamentais para promover o desenvolvimento econômico e, consequentemente, reduzir as desigualdades.”

 

ASSISTA ABAIXO ALGUMAS FALAS DO ECONOMISTA MARCIO POCHMANN

Pochmann reforça a lógica do governo para privatizar: nos fazem acreditar que o serviço não funciona, que o Estado é caro… cria-se um discurso de desvalorização do que é público para nos fazer acreditar que o privado que será bom para a população..

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2

3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CONFIRA AS FOTOS DO DEBATE

Newsletters

Cadastre seu email para receber notícias